Poema para mulheres químicas

Agrippina Manhattan

O trabalho consiste em um poema criado por meio de anagramas (mistura das letras de uma palavra) feitos com o nome de duas substâncias usadas para realizar a transição hormonal MTF (male to female): o acetato de ciproterona, usado para interromper a produção de testosterona, e o valerato de estradiol, usado como repositor de progesterona. A obra vem do medo de começar a tomar esses medicamentos que oferecem riscos significativos à saúde, mas que simultaneamente suprem uma emergência de adequação do meu corpo à minha identidade. Criar um poema com eles torna-os mais próximos de mim e da minha sensibilidade, ao contrário dos nomes científicos aos quais não consigo me identificar. 

Encontro nesse poema conforto

Encontro nele forças.

Eu faço a minha luta sozinha, compro mensalmente esse remédio em segredo.

O que os olhos não vêem é bombeado no meu coração        

pelas minhas veias e artérias.

Mulheres cis tomam mensalmente anticoncepcional

Travestis tomam mensalmente anticoncepcional

Sou privilegiada

Me enveneno, me transformo

INCORPÓREA

                 

                              DIALETOS IDOLATRE 

                                                                                                

 

                                                                                                ORA DILATÁVEL 

                                                                                                

                                                                                        ORA DESERTO

 

 

 

 

                                                                                          DOCE ATAQUE

 

 

                                                                                                                                   ATACADA

                                                                                                                                   

                                                                                                                                   ADAPTAR

O poema é uma parte de um processo de trabalho que acarretará e uma instalação a ser feita em exposição com curadoria do artista visual Yago Toscano.

 

Processo e obra, respiro e desabafo.

 

Por mim, pelo que corre em minhas veias e por todas. 

Agrippina Manhattan é artista, pesquisadora e travesti. Nascida em São Gonçalo-RJ, seus trabalhos dialogam com questões de gênero, instituições e identidades. Aluna da Escola de Belas Artes da UFRJ, já integrou exposições coletivas como BA Photo/Tijuana em Buenos Aires (2017), Esquenta para Jack Smith (Capacete, curadoria de Andreas Valentim e Marcos Bonisson 2017), Carpintaria para Todos (Fortes D`Aloia e Gabriel, 2017), PEGA – Encontro de Alunos de Artes do Rio de Janeiro (Centro Municipal de Arte Helio Oiticica, 2017). Como pesquisadora, já participou Do Seminário Contingências promovido pelo PPGARTES-UERJ (2017) e do  XII Congresso de História da Arte da Unicamp (2017).

© 2019 por Revista Ensaia

// Caso esteja visualizando páginas desconfiguradas ou desalinhadas, verifique se seu browser está atualizado ou tente o acesso por meio de outro browser //