Ser bicha na América: um diário de desintegração

[1]

David Wojnarowicz

tradução de Matheus Magalhães Simões

cinco. homem na segunda avenida às 2:00 am (NYC): "Esse cara que eu conheço estava caminhando com um amigo dele na West Street. Eles tinham ido em um dos bares e tomaram uma cerveja e depois que eles saíram, eles estavam andando pela rua quando esse carro de Jersey passou... os garotos vieram em volta o tempo todo arremessando garrafas e gritando ‘BICHA!’ e arrancando - aí esse carro passou por eles bem devagar e um garoto se inclinou para fora da janela dizendo, ‘Chupa meu pau!’ e meu amigo virou-lhe o dedo e disse alguma coisa; de repente o carro apertou os freios e os garotos brotaram das portas e começaram a chutar o merda do meu amigo... nos próximos dez minutos uns cem caras saíram dos bares e das esquinas e cercaram estes cinco garotos batendo no merda do meu amigo – o amigo dele escapou imediatamente e depois meu amigo descobriu que ele apenas tinha corrido pra casa, e não chamado a polícia coisa nenhuma... e todos esses caras se aglomerando e assistindo cinco caras batendo em um cara e nenhum deles disse ou fez porra nenhuma... meu amigo disse que os cinco garotos pisaram na sua cabeça e peito e quebraram várias das suas costelas e pisaram nas suas pernas ... até o momento em que ele já dificilmente podia senti-los batendo nele - eles estavam pulando sem parar sobre a sua cabeça e braços e pernas e finalmente ele disse que se lembra de escapar e abrir caminho através da multidão e correr... seu rosto era apenas uma poça de sangue... os garotos o perseguiram, mas ele correu mais rápido e mais rápido e pelas ruas e fora do bairro e ele continuou correndo até que desmaiou em algum lugar numa rua secundária... depois ele acordou no hospital e descobriu que tinha ficado inconsciente por cerca de seis dias... os médicos disseram a ele que foi encontrado por policiais inconsciente na West Street cercado por um bando de caras que não faziam nada; aparentemente  ele havia alucinado toda essa coisa de se levantar e fugir... ele nunca havia se levantado... os garotos de Jersey se mandaram antes mesmo que os policiais chegassem lá... "

Being Queer in America : A Journal of Disintegration

David Wojnarowicz

five. man on second avenue at 2:00 a.m. (n.y.c.): "This guy I know was walking with a friend of his around West Street. They had gone into one of the bars and had a beer and after they left they were walking down the street when this car from Jersey cruised by ... kids came around all the time throwin' bottles and screamin' 'QUEER!' and then taking off--so this car cruised by them real slow and some kid leans out the window sayin', 'Suck my dick!' and my friend flipped him the finger and said something; all of a sudden the car slams on the brakes and give kids come piling outta the doors and start kicking the shit out of my friend ... for the next ten minutes about a hundred guys came outta the bars and from around the corner and surrounded these five kids beating the shit outta my friend--his friend took off right away and later my friend found out that he'd just run home, didn't other calling the cops or nothing ... and all these guys crowding around watching five guys beat up one guy and none of them said or did a fuckin' thing ... my friend said the five kids stomped on his head and chest and broke a lot of his ribs and stomped on his legs ... at one point he could hardly feel them hitting him--they were jumping up and down on his head and arms and legs and finally he said he remembers jumping up and plowing through the crowd and running ... his face was just a puddle of blood ... the kids chased after him but he ran faster and faster and through the streets and outta the neighborhood and he kept running till he collapsed somewhere on some side street ... later he woke up in the hospital and found out that he had been unconscious for about six days ... the doctors told him that he was found y the cops unconscious on West Street surrounded by a bunch of guys who didn't do nothing; apparently he had hallucinated the whole thing of getting up and running away ... he had never gotten up ... the kids from Jersey got away before the cops even got there..."

notas

[1] Traduzido a partir da publicação original, disponível em: WOJNAROWICZ, David. Close to the Knives: A Memoir of Disintegration. New York: Vintage Books, 1991.
 

As fotos utilizadas nesta publicação são anônimas. Encontradas soltas em meio ao lixo, foram vendidas ao tradutor – que optou por incluí-las junto à tradução – por um senhor da Praça XV, no Rio de Janeiro, onde ocorre aos sábados uma feira de antiguidades. As imagens pertenciam a uma página de álbum rasgada com registros de uma viagem aos EUA. 

David Wojnarowicz (1954-1992) foi um pintor, fotógrafo, escritor, performer e ativista estadunidense. Entre seus trabalhos, destacam-se a série de fotografias "Rimbaud em Nova Iorque 1978-1979", Sounds in the Distance" (1982) e "Close to the Knives - a memoir of disintegration" (1991) – livro que reúne ensaios sobre arte, natureza, política e aceitação pessoal.

Matheus Magalhães Simões vive e atua no Rio de Janeiro. É graduado em Filosofia pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) e editor do zine Galuboiy, que mistura erotismo com textos inéditos, em sua maioria traduzidas por ele.

© 2019 por Revista Ensaia

// Caso esteja visualizando páginas desconfiguradas ou desalinhadas, verifique se seu browser está atualizado ou tente o acesso por meio de outro browser //